.

Quanto a você, continue firme nas verdades que aprendeu e em que creu de todo o coração. Você sabe quem foram os seus mestres na fé cristã. E, desde menino, você conhece as Escrituras Sagradas, as quais lhe podem dar a sabedoria que leva à salvação, por meio da fé em Cristo Jesus. Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. E isso para que o servo de Deus esteja completamente preparado e pronto para fazer todo tipo de boas ações. (2Tm 3.14-17, NTLH)

As Escrituras dão sabedoria. Não uma sabedoria qualquer, mas a sabedoria que leva à salvação. Não uma salvação de qualquer jeito, mas salvação por meio da fé. Não uma fé genérica, ou uma fé como simples esperança de que tudo vai dar certo, mas a fé em Cristo Jesus.
Portanto, o ponto alto é Cristo Jesus. Quem não encontrou Cristo nas Escrituras ainda não encontrou o principal.

24 de mar de 2011

QUAL A BASE BIBLICA SOBRE O DIVORCIO

Nunca o divórcio foi abençoado por Deus. Desde os tempos de Moisés quando as leis civis e morais foram dadas por Deus isso já havia ficado bem claro nas páginas do Antigo Testamento (Dt 24.1-4). O casamento só poderia ser desfeito por causa de “cousa indecente” (Dt 24.1), (lit. nudez de algo). O sentido exato desta expressão não é bem claro mas com certeza está relacionado a questões sexuais. Por essa questão não ser muito clara é que alguns fariseus tentaram provar Jesus.

Conforme nosso texto básico, Jesus explicou esta permissão dada por Moisés: “Por causa da dureza do vosso coração é que Moisés vos permitiu repudiar vossa mulher; entretanto, não foi assim desde o princípio.” (Mt 19:8) Embora Jesus tivesse uma opinião formada e respeito, ele faz questão de primeiro condenar a própria pergunta. Ao que parece, os fariseus queriam saber de que forma eles poderiam divorciar-se. Jesus explicita que deveria ser buscado não a separação mas a união pois esta era a ordem divina desde o princípio (Gn 1.27; 2.24).

O texto de Gênesis 2.24 é bem contundente. Adão acabara de receber Eva das mãos de Deus e a cena ilustra uma verdadeira cerimônia de casamento. A noivo recebe a noiva e o juiz institui a união. Este versículo revela as palavras de Deus como oficiante do mais importante pacto entre os seres humanos. Esta é a grande chave para o entendimento da indissolubilidade do casamento: Pacto.
Percebam que por toda a Bíblia Deus compara seu relacionamento com seu povo através da analogia de um casamento. No Novo Testamento os noivos se convertem para Cristo e sua Igreja. Vejamos alguns exemplos:

Ezequiel 16 - Deus mostra a ingratidão do seu povo que retribuiu com idolatrias as bênçãos recebidas
Jeremias 3.1 - Deus usa de misericórdia e pede para seu povo voltar ao seu primeiro amor.
Oséias - O casamento do profeta com uma prostituta é usado como analogia para exprimir como Deus se sentia em relação ao seu povo.
Efésios 5.22-32 - “Grande é este mistério mas eu me refiro a Cristo e à igreja”

O casamento, assim como o plano de salvação, é um pacto instituído por Deus e portanto indissolúvel. Isso fica claro nas palavras do profeta Malaquias: “E perguntais: Por quê? Porque o SENHOR foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira e a mulher da tua aliança.” (Ml 2:14 – grifos meus)

Por causa desta conotação de aliança divina é que Deus ordena: “…ninguém seja infiel para com a mulher da tua mocidade.” (Ml 2.15) “Pois o Eterno, o Deus Todo-Poderoso de Israel, diz: -Eu odeio o divórcio; eu odeio o homem que faz uma coisa tão cruel assim. Portanto, tenham cuidado, e que ninguém seja infiel à sua mulher.” (Ml 2.16 BLH) Jesus completa: “…o que Deus ajuntou não o separe o homem” (Mt 19.6b)
Exceções bíblicas para o divórcio

Já deve ter dado para notar que não há nenhum estímulo divino para o divórcio, muito pelo contrário, todas as exortações bíblicas giram em torno da manutenção do casamento. Aliás, lembremos que o primeiro milagre público de Jesus deu-se em uma festa de casamento (Jo 2.1-12). Mas, como disse Jesus, “por causa da dureza do vosso coração” (Mt 19.8) é que dois casos são apresentados como passíveis de divorcio. Vejamos:

A. Adultério (Mt 19.9)

Eu, porém, vos digo: quem repudiar sua mulher, não sendo por causa de relações sexuais ilícitas, e casar com outra comete adultério. (Mt 19:9) O adultério sempre foi abominável aos olhos de Deus. Nos Dez mandamentos entregue ao povo por intermédio de Moisés, Deus já ordenara sua lei moral: “Não adulterarás” (Ex 20.14; Dt 5.18). A lei civil do povo tratava o adultério como crime cuja pena era morte por apedrejamento (Lv 20.10, compare com Dt 22.21-24).
Na concepção de muitos cristãos, parece que Jesus endureceu muito mais esta lei: “Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo: qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração, já adulterou com ela.” (Mt 5.27-28) Muito embora haja a conjunção adversativa “porém” neste texto que parece indicar uma mudança da lei do Antigo Testamento para as palavras de Jesus, não é esta a melhor compreensão. A cláusula adversativa não contrapõe a Lei mosaica com o mandamento de Cristo mas sim a interpretação que os judeus davam para o que havia sido revelado no Antigo Testamento. Os judeus entendiam que suas mulheres eram suas posses assim como seus animais e que adultério só poderia ser cometido pela mulher. O homem, segundo a concepção deles, não adulterava ao ter relação com uma prostituta. O caso da mulher adultera ilustra bem esta mentalidade (Jo 8.1-11). A mulher havia sido flagrada em adultério (8.3-4) mas nada se diz do paradeiro do homem que com ela estava.

O verbo hebraico para exprimir a lei “Não matarás” é uma forma extremamente rara no Antigo Testamento que denota não somente “relação sexual ilícita” mas toda uma ética matrimonial. Jesus então explicou que o entendimento que os judeus tinham a respeito do assunto estava errado e trouxe a luz o verdadeiro espírito da lei divina, como ela sempre deveria ter sido interpretada. Jesus deixa bem claro: “qualquer que olhar”. Ou seja, qualquer um, e não somente a mulher é passível de ser enquadrado como adúltero. Jesus resgatou a lei veterotestamentária: “Se um homem adulterar com a mulher do seu próximo, será morto o adúltero e a adúltera.” (Lv 20.10)

Os prejuízos que o adultério traz para o casamento são incontestáveis: “O que adultera com uma mulher está fora de si; só mesmo quem quer arruinar-se é que pratica tal coisa.” (Pv 6.32)

B. Abandono do lar (1Co 7.10-15)

Esta segunda exceção para a continuidade do casamento está relacionada a casamentos em que apenas um dos cônjuges é crente. Neste texto de 1Coríntios 7.10-15, Paulo tenta responder a respeito das dificuldades de um casamento misto. O jugo desigual não é desculpa para o divórcio: o marido cristão não deve abandonar a mulher incrédula (v.12) e a mulher cristã não deve abandonar o marido incrédulo (13) pois a presença de apenas um crente dentro do lar exerce uma influência santificadora sobre todos (14).

Mas os incrédulos não se sujeitam às leis de Deus e portanto podem querer se separar de seus cônjuges. Neste caso, explica Paulo, depois do cristão fazer tudo pela união e mesmo assim a parte incrédula insistir em abandonar o lar, “que se aparte; em tais casos, não fica sujeito à servidão nem o irmão, nem a irmã;” (1 Co 7.15) Isto é, a parte abandonada estará livre para casar-se novamente.

O dever de Perdoar

A vida de casado não é nada fácil. Juntar duas pessoas que têm cultura, temperamento e educação diferentes não é uma das tarefas mais pacíficas. Somente Deus sendo a terceira dobra para o casamento não se arrebentar (Ec 4.12).
O divórcio não é obrigatório quando acontece o adultério. Principalmente se tratando de um casal cristão. Em primeiro lugar ninguém está isento da exposição às tentações. Embora tenhamos a santidade como alvo absoluto, não podemos nos achar livres de qualquer queda. Pensar estar de pé é o primeiro passo para a queda (1Co 10.12).
A atitude do marido ou da mulher traída deve ser antes de tudo perdoar. O divórcio não é uma carta branca para guardar mágoa, ira ou ressentimento. Independentemente da atitude a ser tomada, o cônjuge traído é obrigado por Deus a perdoar (Mt 18.32-33).

Devemos lembrar que esta luta pela preservação do casamento esta diretamente ligada a disposição do cônjuge adúltero de mudar de atitude. Se não houver esta disposição e continuamente houver adultério dentro do casamento, a parte fiel não pode ficar passiva. Aquele que consente em dormir com um adúltero impenitente torna-se igualmente adúltero.

Conclusão

“Se essa é a condição do homem relativamente à sua mulher, não convém casar.” (Mt 19.10) Esta foi a resposta dos discípulos ao ensinamento de Jesus sobre a inviolável instituição do casamento apontando o divórcio como um lamentável e esporádico recurso. Muitos em nosso dias diriam a mesma coisa ou algo parecido como: “Se eu não puder me separar mais tarde então prefiro não casar”. As estatísticas comprovam que realmente o mundo pensa assim.
Nós cristãos não podemos nos deixar levar pelo curso deste mundo (Ef 2.2). O divórcio não é a vontade de Deus para ninguém pois ele odeia o divórcio (Ml 2.16) e mesmo porque, superar a separação é tão ruim ou pior do que superar uma traição, por exemplo.

Nenhum comentário: